dos meus natais

lembro-me de muitos natais, recordações tantas de um tempo em que a minha vida era outra coisa distante daquilo que é hoje. lembro-me das ânsias, do nervoso miudinho, da família naquela mesa de reuniões que veio de uma empresa falida e que fazia as vezes de uma mesa de sala de jantar. era enorme e cabíamos lá todos, pais, tios, primos, avós e amigos que vinham ver as primas na expectativa de que aquela noite amanteigasse corações. 
lembro-me do cheiro a lenha queimada, da minha avó materna, sempre cheia de frio, quase enfiada dentro da lareira com o nariz mais vermelho do que o do palhaço batatinha. lembro-me do cheiro a fritos que vinha da cozinha, da canela e do açucar polvilhado nos coscorões.

lembro-me do meu querido, querido avô Tonho, cujas lágrimas se fixaram aos olhos quando a minha avó nos deixou e nunca mais secaram, numa corrente constante que fazia parecer que sofria da vista mas que, sei eu, era tristeza, afinal um mundo sem ela, era um mundo vazio.
lembro-me ainda que os meus pais estavam juntos e eram felizes, novos e divertidos - era uma família de retornados que já tinha vivido muita coisa e que se entregava à felicidade com a facilidade e com a convicção daqueles que perderam tudo e pouco mais havia a perder.

lembro-me de adorar esses dias de Natal - eram muitos, no mínimo 3 a 4 dias - que nós não fazíamos a coisa por menos, como já disse, éramos retornados, gostávamos de festa e estar juntos era um pagode.

Depois a vida foi acontecendo. os primos e primas casaram, tiveram mais primos e primas, os tias e as tias deixaram de ser felizes uns com os outros, alguns separaram-se, os meus pais também.

A minha vida mudou. nunca mais fui, nem voltarei a ser, aquela miúda que gostava do Natal.

Sei que o facto de os meus pais continuarem amigos e estarem ambos presentes em todos os natais que se seguiram é uma coisa boa, apenas não é igual porque já nem um nem o outro carrega aquela felicidade que lhes encontrava lá atrás, naquela outra vida de que tanto me lembro.

era suposto que a vida fosse sempre assim, em estado natalício, ou não?

não sendo, resta-me retirar deste natal, dos próximos que vierem, o máximo de recordações e cheiros bons para que a reconstrução da memória se possa fazer, pelo menos, quase tão boa como aquela de então.

A todos vocês desejo que este seja também um Natal de onde retirem o máximo de recordações e cheiros bons.
 

vulnerabilidade

Bryan Ferry - Slave To Love from Tron67de on Vimeo.



porque há, sempre haverá, aquela música que nos recolhe ao mais profundo de nós.


# Dos homens e dos deuses

e do pouco que os separa 


 - Michael Fassbender

memória do que trazes vestido


Ortega, chega cá esse ossos


Lembra-se da coleção Chanel pre-fall de que falei aqui
Pois parece que o querido Orteguita, que não dorme na forma e que vê tudo, sabe tudo e ouve tudo, lá me concedeu o desejo e truflas ... desenhou-me uma saia e um ponchito à la chanel que não envergonham ninguém!

Ontem

Gosto tanto do ar rosqueiro do Peninha depois de um dia inteiro a fazer fileiras na areia e a "marchar" cavacas :)

grey & white

grey jacket -zara (old) 
white dress -zara * (old) 
leopard sneakers - zara - new season 
sunnies - zara (old)
Earings - Ayla Bar  (old)

(das peças que transitam do verão para o inverno) 

Grey jumpsuit

white shirt - similar here
# Zara 
backpack - Topshop 
Hat - Asos 
Beaded headband - Asos

playing simple



Oversized jacket - mango (old) 
white shirt - stradivarius 
flare jeans - berska (old) 
backpack - zara new season 
sunnies - uterque (old)

Coimbra - Casas da Alta

work in progress


Coisas que estão na calha e que brevemente vão estar aqui

School girl mood

School girl mood

viva a perna nua com meias pelos joelhos
abaixo deles
ou nos tornozelos, viva!

viva as pernas roxas de frio, viva!

my daily dose of bohemian

e é isto, este boost de cor e padrões que me arranca ideias e me chama o lado criativo, que me faz querer fazer mil e uma coisas para as quais não tenho o tempo e a disponibilidade que gostaria de ter. Ainda assim, não desisto de sonhar com o dia em que parte do meu dia vai ser dedicada a isto!

just because i do

Esta coisa de tirar fotos para a esquerda e para a direita, a andar, parada, de ladex e sempre com aquele ar de que não é nada connosco, é assim uma coisa meia para rir, não é? 

Afinal de contas, até que ponto é que isto vale a pena? o que se pretende? Não é, com toda a certeza, pelos ganhos com o blog que daqui nunca tirei nadinha e nem nunca esperei tirar. 

Certamente que também não é por achar que sou uma estampa pois se há coisa que uma tipa de quase 40 anos sabe é quase tudo sobre si própria! 

Mas quoi faire se eu gosto disto como se tivesse 20 ou 30! 
Gosto disto, gosto do meu reportório/diário de tiny little things. De voltar atrás, de ir aos arquivos, visitar as férias passadas, visitar aqueles passeios especiais, visitar-me (nos) noutros momentos, noutros dias, na mesma vida.

Depois gosto das pessoas que conheci na blogoesfera(e há pessoas fantásticas!) e que sei que ainda vou conhecer, gosto dos modelitos das miúdas giras que são tão giras, do que elas fazem e do trabalho que dedicam aos seus blogs e às suas leitoras com conselhos e com tendências em primeira mão.

Em suma, gosto disto just because i do e enquanto gostar disto por aqui continuarei.

# Zara shirt dress (old)
# Stradivarius white shirt
#Zara faux fur collar (new season)
# Massimo Dutti bag (old)
#H&M oversized blazer (old)
# Boots Asos (on sale

About Today's look

About Today's look

O preto vai ganhando terreno no meu guarda roupa, acho que me tenho deixado influenciar cada vez mais pelas imagens do Tumblr e Pinterest e começo a prestar mais atenção a esta cor que nunca ocupou o meu armário como agora.
Porque ainda é cedo para um total black (que isto do preto carrega-me o semblante) juntei ao look uns lábios vermelhos, um lenço da zara e um fedora da Massimo Dutti do ano passado nos mesmos tons. 
Agora a aquisição mais estranha dos últimos tempos confesso que foram estes sapatos. Não seria normal olhar sequer para eles, mas não é que me perdi de amores? e o conforto? parece que ando em cima de um colchão! adoro-os, ainda que cheia de noção que esta moda da plataforma não agrade a toda a gente. 
E as meninas, gostam de andar empoleiradas nestas borrachas? É TÃO COOL!

AddThis