Viajar de mota? Sim.
















































A experiência de viajar em duas rodas, com os joelhos e dentes à mercê do alcatrão nunca me aliciou. Alguns problemas de equilíbrio, fruto de uma existência meia pata choca, contribuíram para que fosse resistindo estoicamente à experiência até à nossa viagem a Florença. 
Além de toda a exaustiva argumentação de que seria a melhor forma de nos movimentarmos na cidade e de que as viagens pela região de Chianti seriam muito mais apreciadas, blá blá blá, acalentava aquela imagem dos filmes passados em Itália onde o argumento tem sempre (no mínimo) um par romântico, uma mota, vinho tinto e um toalha de pic nic estendida em qualquer lado.

Vai daí que, mal dei por ela, me vi também eu encavalitada em cima de uma mota com o meu par romântico a viajar pela Toscana- não levámos o vinho, nem fizemos pic nic, mas em jeito de compensação ganhei uma dor de costas fantástica que me deu para a semana toda.

Ainda que o meu eu quasimodo estivesse um pouco caguinchas, a verdade é que quando me apercebi estava feliz a apreciar a sensação de liberdade que sentia a viajar assim, com a temperatura a roçar a pele, a gingar por estradas e curvas ladeadas a verde e com a paisagem em pintura gigante de 360º. 

E, talvez por ter gostado tanto, não me importei nada de o repetir, desta vez cá, no nosso Portugal que é tão mais bonito do que qualquer outro sítio que tenha conhecido.
Fomos até a Arganil (terra onde já vivi e onde tenho ainda muita família) para partilhar coisas que não mudam e que (também a mim) me pertencem.
Dali fizemos o percurso por Coja, Avô, Barril do Alva, Foz de Égua, Aldeia do Piódão e Fraga da Pena. -
E vale tanto a pena!
É tão, tão bonito - fazê-lo de mota tornou a experiência muito mais emocionante, muito mais "livre", como, aliás, devem ser as boas experiências.

Viajar de mota? Sim. 
Porque é uma espécie de música silenciosa em que o coração acorda, a memória também, e uma pessoa se perde e se encontra vezes sem conta.

Viajar de mota? Sim. 
Não sempre, mas em dias.

Viajar de mota? Sim.
Porque há tanto mundo, à superfície, por descobrir...

5 comentários:

  1. Falei com o meu namorado sobre a vossa viagem, mostrei fotografias e disse-lhe que devíamos fazer o mesmo. Por Itália. Comigo atrás a temer o mesmo que tu, a barriga cheia de pasta a pesar no banco, mas gostava tanto! Temos é um pequeno problema: não temos mota. E outro: o meu namorado diz que está habilitado a conduzir motas e que acha que ainda consegue. "Acha que ainda consegue". Não me sossegou nada! Se calhar vamos ter que esperar mais uns anos, se calhar vamos antes de carro!

    E que belas fotografias que partilhas sempre connosco. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não fiques convencida que me tornei uma pendura cheia de "cunfia"! os momentos que antecedem a viajem são sempre de muito nervosismo, tanto que até me espatifei a subir para a mota no domingo - trago o coxis que só eu sei... ainda assim, o que dá muita segurança é a condução do Jorge, ele sabe da poda e assim que arrancamos o meu coração sossega um bocadinho. Porque não tentam alugar uma scooter durante um fim de semana aí em Hamburgo? acredita que por aí já terás uma noção fiel da condução do teu namorado :) e em itália podem sempre fazer uns passeios numa mota menos potente do que aquela que nós alugámos (nós também não temos mota).
      Beijo grande, querida S. gosto de ti, acho que já to disse :)

      Eliminar
  2. Acho que (tirando passatempos para ganhar um cremezito de 2eur ou potes de havaianas) é a primeira vez que neste interregno me apetece realmente comentar um post com ganas.

    Obrigado, acabei de mandar este link pró mail para ir estudar este percurso já que me está aqui tão pertinho. <3

    Como te disse, vou fazer uma biketrip um 'bocadinho' maior, à volta de 4000 km's e estou, estava? aterrorrizada com a minha marreca e com o meu real rabo de babuíno, descaído e com ossos prestes a espetarem-se na banha da barriga. Mas ainda assim, levas uma almofadita pró rabo amarrada ao selim por uma guita? :p

    Agora já não estou porque convenceste-me. Adoro motas, adoro andar mas nunca andei mais do que 2h/300km de cada vez.
    Vou convencer o meu motorista ou motociclista a experimentar este percurso...tem curvas? se tiver, está convencido!
    Além disso as cenas de motoqueiros são tão fixes (tirando o capacete que deixa a merda do cabelão num alvoroço, parece um campo de batalha de piolhos no rescaldo).

    As motas de turismo já fixes pra isto...too bad qu'eu vou numa mais..'rija'

    Só não achei a fraga da pena..vou procurar melhor!

    Gosto tanto de ti e da tua tabanca*

    PS. só não percebo como consegues andar de saia...eu quero levar vestidos prá viagem mas o meu senhor diz que sou doida, que faz frio e faz mosquitos e cenas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou começar a resposta pelo fim: andar de saia/vestido comprido é quase a única forma que sei andar. quando o Jorge começou a plantar esta ideia das motas foi o que lhe disse: eu vou, mas não esperes ver-me armada em mulher de motard cheia de cabedais e proteções até às orelhas! é claro que já cedi... pronto, tive cagufas e na viagem porto -arganil e vice versa obriguei-me a usar um casaquinho emprestado, 3 numeros acima do meu, mas cheio de proteções até às orelhas. mas fora isso (e ainda que o jorge me moa a paciência com os vestidos, não consigo não os levar - arregaçados até cá acima, é um facto - ja queimei um no tubo de escape- não gostei e ainda levei gozo do miúdo.

      quanto ao percurso: é absolutamente lindo! não te vais arrepender e podes avisar o teu motorista que curvas não faltam, para além de que a paisagem é incrível! não deixes de ir à Fraga da Penan (fica na Benfeita) e, se no pico do Verão, leva um biquini - a água é fria mas compensa com o contexto. se quiseres mais dicas do percurso, posso pedir ao jorge que mas escreva e envio-te, sim?
      Mas é muito fácil, até eu -desorientada por natureza - o conseguia fazer sozinha. tudo muito bem sinalizado, não há que enganar!
      Tenho saudades tuas. bastantes até, Jo Cenoura...

      Eliminar
    2. Eu que gosto de cabedais, arrepia me o look integral do motoqueiro portanto apenas tou pra enfiar um casaco de pele, e é cá dos meus, em pleno Agosto..vou dar uma oportunidade aos vestidos ainda que a engelhar o nariz..tenho um filme de terror montado na cabeça, de aquela porra se enrodilhar nas rodas e me mandar pelos ares a 150km/h ou de ficar com nódoas negras dos mosquitos a baterem me nas pernas nuas. Sabes, vou andar nos alpes, nos pass's... (quando fores à Suiça de mota não deixes de passar no Furka Pass, Stelvio Pass, Julien Pass e todos os pass que vires nas 'tabuletas').

      Obrigado pela disponibilidade, eu vou à descoberta..aliás, como sempre, sem plano, deixa o Jorge com as dicas e não o apoquentes, :)

      Eliminar

AddThis