Como quem chega a casa





Há cerca de 5 anos atrás abri as janelas da minha vida de par em par a um desejo de transição e mudança que se tinha iniciado fina e melancolicamente em mim.
Sacudi o pó, sacudi as feridas, arregacei as mangas e o sopro da minha história mais que perfeita começou aí,
Depois chegaste tu. (e eu nem sabia a falta que me fazias)
E depois estava aqui. 

E o Porto emprestado tornou-se meu, como poucas são as coisas minhas. 
E foi aqui, nesta coisa minha, que deixei a parte de mim de que me esqueci. 


#Da baixa, pelo rio e até ao Mar.

2 comentários:

  1. e agora és do Porto ou o Porto é também teu e eu que te conheço há duas dezenas de anos (!) vejo-te assim é já não de outra maneira. isso é crescer. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isso é crescer... apaziguares-te com os teus demónios :) e sim, sou daqui, nunca poderia ser de outro lado qualquer como sou daqui

      Eliminar

AddThis