Toledo


Depois de Ávila seguimos rumo a Toledo para um hotel muito catita (aqui) que fazia lembrar aqueles grandes hotéis onde se instalam os russos e assim com salões e mais um par de botas, casamentos incluídos (nós ainda tentámos furar um mas não fomos lá muito bem sucedidos porque os senhores perceberam que um de nós já não estava propriamente são)

O hotel é banhado pelo Tejo, vejam lá bem! muito bem localizado ainda que não no centro da cidade.

Do hotel e depois daquela banhoca que toda a gente precisa de vez em quando, seguimos até à muralha para passeio e tapinhas que, afinal de contas, foi para isso que ali fomos!


Achei Toledo uma cidade incontestavelmente bonita, claro, mas com um turismo estranho e com um comércio mais estranho ainda - vires a cabeça para a esquerda, para a direita, em frente ou para trás, em suma, para onde tu quiseres, só dá a bela da loja de espadas e armaduras, i.e.., coisas que, assim pró dia a dia não têm utilidade absolutamente nenhuma,
(a não ser, vá, que se entenda a espadinha como uma cena fixe para se ter na mala do carro não vá dar-se o caso de aparecer alguém automobilista avesso à tua condução agressivo-passiva)


 ok, ok que o aço de Toledo foi muito importante no armamento para as legiões romanas e blá, blá blá, mas convenhamos, uma lojinha ou duas e chegava, não é preciso continuarem a armar-se até aos dentes, digo eu, mas eu de guerras percebo pouco. 

 A parte antiga da cidade está no topo da montanha com imensos sítios históricos, tanto assim que o Cervantes terá um dia dito - mas já foi há muito tempo - que Toledo era a glória de Espanha.

Percebo, tem influências culturais incríveis, mas eu não lhe chamaria propriamente a glória de Espanha porque não tem assim muitos sítios para "tapear" (só espadas e mais espadas) e uma pessoa que anda por ali a pé precisa de se alimentar. é o que eu acho.

Mas pronto lá encontramos um boteco para una copa de bino e uns enchidos que eu até já estava a modos que em processo de vai não vai desmaio aos pés desta gente.

Claro que, depois do primeiro copo já só queres o segundo e o terceiro (ai vocês não?) de modo que fomos andando à procura de una terraza onde pudéssemos dar continuação às lides - e acho que o facies do Jorge reflete bem o estado em que nos encontrávamos: sede e fome 

(porque isto de não se comer hidratos acelera a digestão e a pessoa tem fome de 10 em 10 minutos)

Una copa mas e lá seguimos nós caminho até encontrar um restaurante para jantar qualquer coisinha.

Acabei a jantar esta saladinha e uma tábua de queijos para aconchegar num restaurante que se chama las Fariñas.

A foto não chega para explicar o quanto esta salada era maravilhosa porque eu também já estava meia de esguelha, mas a salada era mesmo maravilhosa! 



 Por fim, e para terminar o périplo por Toledo, deixo-vos uma foto que reflete com rigor as figuras que uma pessoa faz quando, após várias tentativas, não consegue furar o tal casamento mas ainda lhe apetece festa!

Vestido - Bohoo (tirei-lhe os elásticos das cintura) // sapatilhas Vans// Mochila - Zara

1 comentário:

  1. Pois Toledo! O ano passado estivemos lá no final de Agosto e estava uma tosta de calor! Ficamos grande parte do tempo numa esplanada a beber canas e a desfrutar dos borrifadores da esplanada que nos atirava uns vapores de agauinha fresca e no meio disto descubro uma casa de carteiras em pele feitas pelos próprios bem giras, claro trouxe uma, agora não acuerdo do nome

    ResponderEliminar

AddThis